Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Contos do Vigário

Contos do Vigário

As Ondas da Radiação

 

Quando olhamos para longe no Universo olhamos, para longe no tempo. Na viagem de 13,6 mil milhões de anos podemos ver a radiação cósmica de fundo em microondas (RCF), que é uma predição da teoria do Big Bang. O universo primordial era composto por um plasma quente de fotões, electrões e bariões. Com a expansão,aos 380 mil anos, o universo arrefece até aos 3000K e ocorre a combinação entre electrões e núcleos atómicos para formar átomos de hidrogénio e hélio e, assim, os fotões ficam livreas para viajar – é a RFC, os primeiros fotões após a escuridão incógnita depois da inflação.

 

A RCF é quase uniforme e são as pequeníssimas disparidades que nos dão informação útil sobre a história primordial. O satélite COBE, em 1992, confirma pela primeira vez a anisotropia da RCF de forma grosseira. Em 2003, a WMAP, com mais qualidade, detectou que, a RCF é de 2,7249 K num sítio, e pode ser 2,7250 K noutro. São estas disparidades que remetem para um padrão no céu que sugere que as flutuações quânticas esticadas pela inflação foram as sementes das galáxias.

 

Alan Guth propôs, em 1980, que logo após o Big Bang, o Universo sofreu uma brutal inflação, que explica o porquê de ser tão uniforme em todas as direcções. As ondas gravitacionais vêem comprovar essa inflação, previstas pela Teoria da Relatividade Geral.

 

Através do telescópio BICEP2 foi possível distinguir as ondas gravitaacionais provenientes da RCF. “A nossa equipa queria ‘caçar’ um tipo especial de polarização [da RCF], designado modo-B, que é um padrão de polarização que só pode ser devido às ondas gravitacionais” John Kovac, do Centro de Astrofísica Harvard-Smithsonian (CfA). As ondas torcem a RCF tal como um íman torce um campo electromagnético e foi essa torção que foi verificada.

 

De infinitude a “um berlinde entre 10-36 e 10-33 segundos” e, a partir daí o tecido do cosmos “teve que se expandir a velocidades cerca de 10 vezes a da velocidade da luz no vácuo, ou seja, 3 milhões de km/s.”. Manel Martins (AstroPT)

 

Podem ler o artigo completo , muito bem explicado e excelente no ASTROPT- Site de Educação Científica