Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Contos do Vigário

Contos do Vigário

‘Tá uma Cena na Lua… e um Charro na Mão

Este post foi publicado, por mim, originalmente no AstroPT.org em 2014 mas permanece sempre actual:

 

Já estamos habituados a notícias do género de imagens de programas de imageamento do espaço, Terra, Lua ou planetas que apresentam, como é normal em programas informáticos, erros que só perante grande imaginação se transformam em ETs. Este post centra-se num vídeo colocado no Youtube no dia 15 de Janeiro e que, em pouco mais de 10 dias, chegou a mais de 1,6 milhões de visualizações. O utilizador descobriu um objeto estranho dentro de uma cratera da Lua, com “um formato triangular (com um ângulo de 90° perfeito) e sete pontos simetricamente dispostos que parecem ser luzes”. O objeto teria 128 x 152 metros e estaria localizado numa região conhecida como Mare Moscoviense. As coordenadas que identificam o objeto na superfície da Lua são 22°42’38.46″N e 142°34’44.52″E. (Huffington Post)

A imagem:

 

O mesmo jornal resolveu conferir o Google Moon. E o que eles encontraram? Estruturas semelhantes ao objeto identificado por wowforreeel, mas não tão simétricas como este tinha indicado.

A equipa contactou Marc Dantonio, diretor de análise de vídeos e fotos da Mutual UFO Network. Infelizmente a escolha foi péssima já que um analista de OVNIs vê OVNIs em todo o lado, tal como fanáticos de Maria vêem Maria em tostas, lenços de papel e beatas de cigarros. Contudo, a escolha revelou que mesmo um analista de OVNIs consegue ver o que pessoas normais vêem:

“Olhando para isso [a imagem original], eu suspeito que seja uma sobreposição do Google Moon. A sobreposição é uma falha fotográfica que ocorre devido ao processo pelo qual muitas fotos são alinhadas e colocadas em camadas para formar um grande mosaico de imagens. O Google Moon, o Google Earth, o Google Mars, assim como o Google Sky, por exemplo, são compostos de dezenas de milhares de imagens que estão alinhadas da melhor maneira possível, cobrindo a superfície esférica do ‘planeta’, seja a Terra ou a Lua”.

Por vezes a fotografia é captada por equipamentos diferentes, o que exige que sejam redimensionadas para que se encaixem em imagens provenientes de outros equipamentos.

Em baixo podem ver o vídeo:

 

O autor não é uma pessoa qualquer que achou intrigante a imagem, é um indivíduo que só apresenta vídeos de OVNIs, coisas irreais na Terra, e Nibirus (que embora nunca tenha existido, permanecem os vídeos). Perante tanto vídeo falso ou mal identificado parece-me que este autor vê coisas com um olho e charro com o outro.

Outras fontes: TSF

Mito que Mete Água: Não se Deixe Colar ao Frigorífico!

As pérolas continuam com a afirmação de que as águas ácidas causam diabetes, cancro, etc e que, com radicias livres a célula começa a desdobrar-se muito rapidamente. A minha questão é esta: o que é uma célula a desdobrar-se?

Num ponto o dr Bontempo acerta em cheio quando diz que centenas de estudos apontam que a água é boa para a vida. Mas usa esta lapalissada para vender a sua aldrabice a todo o mundo indicando que toda a água canalizada devia ter o tratamento magnético porque, desta forma, problemas como o cancro e todos os outros iriam desaparecer. Quando ele diz “todos os outros” leva-me a crer que a sorte e o amor estejam incluídos. Quanto à aldrabice não deve curar, caso contrário a solução mataria o criador.

Como não podia deixar de ser existe um produto à venda, o TOP H+ que, segundo o inventor, é adicionado magnésio e cálcio para que o hidrogénio se dissocie do oxigénio. Daqui resultará água fenomenal e água fantástica. Ou seja, multiplicação da água.

Para vender mais, este charlatão diz que os rins funcionam melhor quando se bebe esta água porque esta água lava mais. Penso que não tenha sido necessário chegar até aqui para perceber que o dr Márcio Bontempo não é médico, embora possa ter algum diploma. A quantidade água não faz funcionar mais o rim. Não faz sentido beber água por não necessitar, já que beber demasiado faz com que a excedente saia, 1h depois, para a sanita.

Para se prevenir, este senhor diz que o seu produto não serve para curar mas sim para melhorar a saúde e que essa recuperação eliminará a doença. O TIMOL é o produto que melhora a vida sem a curar. Trata-se de um magnetizador de uns espantosos 3200 Gauss que cola qualquer um ao frigorífico!

Não se deixe colar!

Mito que Mete Água: Água Magnética – Oxigénio= Milagre

Trago-vos um tema já recorrente aqui: charlatanice com sabor a rancho de conceitos científicos, mas com falta sal, ou seja, lógica.

O dr Márcio Bontempo, porque diz ser médico, tem uma cura para todos nós. Ele apregoa a água magnetizada. Diz que se descobriu um novo princípio científico: que a água exporta um campo magnético, que sofre uma alteração e fica com as moléculas corrigidas. O que é isso? Nenhum cientista sabe, mas ele parece saber e, incrivelmente, não venceu qualquer Nobel.

A correcção da água é a magnética e envolve ímans especiais, que criam um campo magnético adequado à água. A intensidade do campo magnético é de 3200 Gauss! Isto é muito e podem ver aqui um vídeo de um íman de 3000 Gauss a capturar um metal a cerca de 40 cm de distância. E como é feita essa correcção? Ninguém sabe e o doutor não o diz. Afinal de contas, o segredo é a alma do NEGÓCIO. Segundo Bontempo a água canalizada passou por uma adulteração que envolveu a redução da qualidade biológica e física. Sabe-se lá o que isso é. Redução da qualidade biológica de uma substância química?

Mas numa coisa este senhor tem razão. É quando diz que as moléculas de oxigénio juntam-se a outras moléculas. Mas daí à necessidade de corrigir a água… e porque está parada!? Para Bontempo a água não nasceu para estar parada. Sim, é verdade. A água não nasceu mas a água líquida não está parada mas sim em constante reacção entre a ligação de moléculas de hidróxido com átomos hidrogénio e dissociação das moléculas de água existente. Num copo de água não existe apenas H2O mas sim H2O + H+ + OH-, tudo em constante reacção. Mas, de certo que o senhor doutor gosta de uma pedrinha de gelo no seu wisky velho, que é água parada, ou será que magnetiza um cubinho de gelo?

O dr Márcio Bontempo pode não ter ganhado um Nobel, mas pode, e muito bem, ganhar um IgNobel com a seguinte observação: “A água forma agregados moleculares (macromoléculas) e isso cria um edema fora da célula. As substâncias do tratamento tiram o oxigénio e, assim, esta água desidrata.”. Sim, a água fica desidratada por ter sido tirado o oxigénio. Mas, ao mesmo tempo, o seu tratamento consiste em hidrolisar a água e oxigenar a mesma e, desta forma, eliminar o ácido láctico. Esta não é para fracos e existe uma compreensão acima da média. Então temos H2O, hidrolisamos para ficarmos com H+ + OH-, juntamos O- com um campo magnético e, assim, eliminamos o lactato que é um produto da respiração celular. Para quem ainda não entendeu, pois trata-se de um vendedor de todos os prémios IgNobel até 2030, vejamos no âmbito da cozinha tradicional: Quero um ovo bom e mágico para comer. Separo a gema da clara (sem usar as mãos!) apenas com a ajuda de um rádio sintonizado numa rádio rock, volto a juntar a gema à clara para poder eliminar as cebolas.

Soviéticos Comprovaram Alunagem

O site de educação científica astroPT mostra mais uma prova de que a Apollo 11 esteve mesmo na Lua. Pode-se ler que:

“Em Julho de 1969, os telescópios de Jodrell Bank estavam a monitorizar as transmissões da missão Apollo 11” e “a monitorizar/espiar a sonda Soviética não-tripulada Luna 15”, que ía “recolher pedras e solo lunar, e retornar à Terra com essas amostras lunares.”

“No entanto, a missão fracassou porque a Luna 15 espatifou-se na Lua a 21 de Julho 1969, poucas horas antes de Armstrong e Aldrin terem deixado a superfície lunar.”

“Nas transmissões de Jodrell Bank, ouve-se o fundador do Observatório – Sir Bernard Lovell – a narrar os eventos. Por trás da voz dele, ouve-se por vezes as transmissões da Apollo 11.


No background, também se ouve os cientistas na Sala de Controlo preocupados a dizer que a Luna 15 estava a descer demasiado depressa e que se ia espatifar na superfície lunar.”

A transmissão pode ser ouvida aqui.

O site Eternos Aprendizes refere que a LRO (Lunar Reconnaissance Orbiter) fotografou o local de pouso da Apollo 14 e mostra o módulo lunar e vai fotografar os locais de pouso das Apollo 11, 12, 15, 16 e 17.

Mitos e Bebés: O Teste da Agulha

Este é um teste baseado em ligações improváveis entre acontecimentos. Aqui é demonstrado o desejo de o ser humano conferir sentimentos e poderes aos objectos.

O teste consiste em pegar, com a mão direita, numa linha com uma agulha na ponta e deixar a agulha junto à palma da mão esquerda da grávida. Deve-se mergulhar a agulha três vezes ao lado da mão e, depois, deve-se deixar a agulha por cima da palma da mão da grávida como se fosse um pêndulo. Se a agulha fizer movimentos circulares é menina, se fizer movimentos lineares é menino e se houver ausência de movimento não haverá bebé.

Para muita gente parece óbvio mas, assustadoramente, há muita gente que acredita neste teste. E acreditam porque acham que estas técnicas funcionam e que podem prever o futuro. De facto, não existe qualquer evidência nem explicação para a ligação entre o movimento da agulha, a mão da grávida e acontecimentos passados ou futuros. Mas existe uma ligação entre o movimento da agulha e a mão de quem pega na linha.

Os movimentos quase imperceptíveis, associados aos movimentos conferidos pela passagem do sangue nos dedos, faz com que a agulha se possa mover. Por vezes até pode ser o operador dessa técnica a fazer os movimentos desejados. Apesar de tudo, a taxa de sucesso é muito baixa para ser credível, além dos factos de que não produz resultados imparciais e de que basta um resultado falhado para anular a crença na técnica. De facto, previsões e resultados falhados não faltam.  

Um Mito Confirmado!

Há mais de dez anos que luto para desconstruir mitos e para construir o pensamento crítico. Ouvi muitos mitos relacionados aos fetos, quando a minha mulher estava grávida. Resolvi por à prova esses mitos e desconstruí-os a todos. Mal eu sabia que ia criar um mito. É verdade, tanto lutei contra mitos que me vi envolvido num novo mito e, sabem que mais? Eu testei-o, e sabem a melhor? Já vão saber.

Um dos primeiros mitos a desconstruir foi aquele de que a azia da grávida provinha da quantidade do cabelo do feto. Se a mulher tivesse azia significava que o bebé tinha muito cabelo. Nada mais fácil de verificar pela quantidade de bebés com cabelo provindos de grávidas qeu nunca tiveram azia ou de bebés quase carecas cujas mães sofreram muito com a azia. O segundo ponto do frágil edifício deste mito é dinamitado quando se verifica que a azia acontace num período de gestação onde o feto ainda não tem cabelo. O terceiro apoio desfaz-se nos livros, onde está confirmada a causa da azia. A azia nada mais é do que a subida do estômago e a pressão sobre ele exercida no momento em que o útero começa a tomar o seu lugar, enquanto a gravidez avança.

Não foi apenas este o mito desfeito nos seus pilares e a colapsar perante uma explicação científica e falta de fundamento estatístico. No entanto, mas eu sabia que criara um mito, também ele com cabelos. Agora o mundo fica a saber que esfregar a barriga da grávida vai fazer com que o bebé nasça com o cabelo sem regras e espetado. Isto deve-se à electricidade estática transferida para o bebé. Mas atenção! O bebé tem de possuír cabelo, quanto mais abundante melhor. Eu confirmei a veracidade quando a minha filha nasceu, pois o seu cabelo estava espetado e assim ficou cerca de 1 mês. A estatística e a ciência não interessam para aqui.

A Base da Ciência

Recentemente li uma opinião que dizia que a ciência está avançada devido à existência da sociedade cristã. Mais à frente leio que "a religião cristã permitiu impulsionar uma sociedade virada para as ciências na medida em que afirma que deus criou o mundo […] e dessa forma incute a procura de […] explicações para fenómenos da Natureza". Então vou explicar que bicho é esse chamado de ciência.

A ciência começa com “eu quero saber” e isso significa a possibilidade de descrever um fenómeno visual e explicar as suas interações e influências. A ciência é um processo que implica 4 passos: Observar, colher informação, distinguir e descrever. Este bicho esquisito distingue-se pelo pensamento racional, que permite rejeitar, refutar e até modificar a hipótese. As decisões de uma opinião pessoal, produto de irracionalidade, não seguem a lógica, sendo incoerentes e relacionadas ao mundo desconhecido, superstição e misticismo. As crenças dão a tudo sentimentos, emoções, intenções e “requerem a aceitação de factos e enunciados que não podem ser demonstrados”. O conhecimento científico é sistemático, pergunta, duvida e chega a ideias.

Afirmar que um deus criou o mundo não é uma observação da natureza nem é questionar o mundo. Lembro que o cristianismo levou à morte na fogueira de cientistas por estes declararem o Heliocentrismo em oposição ao Geocentrismo. A ciência nada tem a ver com religião pois não se centra em crenças mas em observações. Para a ciência o mundo surgiu através de eventos naturais que levaram o seu tempo. Todo este processo terá de fazer sentido, estar de acordo com outras observações, ser testável empiricamente se possível. A religião é imutável e exclui qualquer argumento que se oponha à sua visão de mundo criado em 7 dias, há dez mil anos.


Dizer que a sociedade cristã é a razão do avanço da ciência o que dizer da China?